Guia do Gestor de Frotas para a Internet das Coisas, Parte I: Entendendo os Desafios

William Sandoval, VP de Aplicações de Plataformas Avançadas
9 de Abril de 2019 8h0min0s EDT

Os profissionais de gestão de frotas estão enfrentando desafios logísticos e financeiros que não estavam presentes há poucos anos atrás. Alguns desses desafios são, na verdade, o resultado de novas oportunidades de negócios e esforços para tornar o setor mais eficiente, enquanto outros estão relacionados a flutuações no mercado.

Como resultado, os Gestores de Frota são cobrados para entender melhor o cenário atual e considerar novas estratégias para obter vantagem competitiva. Muitas dessas estratégias envolvem a implantação de soluções de Internet das Coisas (IoT) e examinaremos mais de perto esse lado da equação na Parte II desta série. Mas, por enquanto, vamos examinar algumas das tendências que estão criando novos desafios para o setor de frotas.

  • Compras on-line: as vendas do comércio eletrônico estão em alta, crescendo entre 20 e 25% ao ano. Embora esse crescimento rápido aumente o potencial de receita para as empresas de entrega, também está fortalecendo a capacidade de transporte, elevando a importância dos processos de entrega final e criando uma demanda por tempos de entrega e entrega mais precisos. Além disso, o e-commerce está mudando as estratégias de embarque de grandes volumes e remessas de baixa frequência para remessas de baixo volume e alta frequência, especialmente durante as festas de final de ano.
  • Escassez de motoristas: Em um passado não muito distante, levados pela aquecida economia brasileira, o país chegou a ter excesso de caminhoneiros. Este fato já não é mais verdade após turbulências em diversos setores nos últimos anos, fazendo com que o Brasil tenha oferta de condutores suficiente, por enquanto, para atender a demanda. A questão que começa a ser levantada cada vez mais é sobre a qualidade do profissional, que precisa atender à certas demandas das seguradoras, sendo cada vez mais complicado encontrar um condutor que atenda à todos os requisitos.
  • Segurança e produtividade do motorista: A melhoria da segurança do motorista é exigida por algumas regulamentações do governo americano. O mandato da ELD, que entrou em vigor nos Estados Unidos em abril de 2018, exige que os caminhões possuam um dispositivo automático de gravação a bordo (AOBRD) ou uma solução de dispositivo de registro eletrônico (ELD) para registrar horas de serviço (HOS) e Registro de status de serviço (RODS). No Brasil, uma lei de 2015 tem regra para período máximo de horas de trabalho, mas não prevê uso de dispositivos eletrônicos.
  • Volatilidade do preço do combustível: Os custos do combustível podem ser afetados por eventos que impactam a economia global, excesso ou escassez de petróleo, bem como forças políticas. Os Gestores de Frotas devem sempre explorar soluções de otimização de rotas baseadas em tecnologia e gerenciamento do condutor para maximizar a eficiência, ajudando-os a reduzir os custos, independentemente das flutuações do mercado.

 

Na Parte II, abordaremos como a IoT está ajudando a indústria de frotas a superar esses desafios.